A temida Cinomose
26 de setembro de 2017

Sarna Negra – Demodex canis

A Sarna Demodex, popularmente conhecida como Sarna negra, é causada por um ácaro, que normalmente é passada de mãe para filhote através da amamentação, sendo que a mãe não necessariamente apresentará algum sintoma clínico, contento caráter genético e está diretamente ligada a resposta imunológica do animal infectado. O que acontece é uma proliferação exagerada deste ácaro pelo corpo, causando uma reação inflamatória que chamamos de Demodiciose, ela pode ser classificada como localizada e generalizada, ou seja, as lesões podem aparecer somente em alguns regiões específicas ou por toda a extensão corpórea. A localizada, em 90% dos casos, pode aparecer até os 18 meses de idade.

O aparecimento da sarna demodex vai depender de vários fatores, quando o cão ainda é filhote, fatores como stresse, alimentação e raça, como por exemplo cães de raças puras (shih-tzu, pinscher, lhasa …). E nos cães adultos o parasitismo intenso, doenças sistêmicas, medicações que deprimem o sistema imunológico, hipotiroidismo, hiperadrenocorticismo, diabetes, neoplasias entre outras doenças podem ajudar na proliferação e evolução do ácaro nesta fase da vida.
É uma doença que pode aparecer em qualquer idade do cão de caráter benigno, porém se não estabilizada pode gerar infecções bacterianas secundárias na pele causando muito sofrimento tanto para o pet quanto para seu tutor. Não é contagiosa nem para os outros animais da casa nem para os humanos.
Sintomas
Os sinais aparecem com mais frequência nas regiões em que há pouco pêlo como: ao redor dos olhos, da boca, no queixo, nas orelhas, entre os dedos, barriga e peito. Dentre as principais manifestações clínicas estão: alopecias (queda de pêlo), descamação da pele e mudança da coloração da pele se tornando mais avermelhada. Ao contrário do que muitas pessoas pensam a demodex não causa coceira, o que leva o animal a se coçar são os agentes oportunistas, como as bactérias que aproveitam a pele que está lesionada para se proliferarem, quando isso acontece o animal  as lesões infeccionam podendo gerar pus e úlceras nos locais afetados.

       

 

Diagnóstico
O diagnóstico é relativamente fácil e rápido, podendo ser realizado de duas maneiras, a primeira é a mais invasiva sendo o raspado cutâneo, neste procedimento o veterinário vai raspar a pele lesionada com uma lâmina de bisturi e colocar em uma lâmina de microscópio para a visualização do ácaro, ou a menos invasiva, técnica da fita, onde usamos uma fita como durex e a colamos no local da lesão, feito isso retira-se a fita, onde nela ficam grudados os ácaros e podemos levar a lâmina de microscópio para a confirmação da presença do parasito. Ambas as técnicas devem ser feitas com a pele sem pêlo e aonde está localizada a possível lesão.
Tratamento
O protocolo de tratamento pode variar de acordo com cada profissional e o grau das lesões de cada animal. Recomenda-se que animais de pêlos longos sejam tosados para a maior absorção das medicações além de diminuir o ambiente de proliferação do ácaro.
Geralmente são utilizados shampoos anti-sépticos com banho semanalmente, probióticos, imunoestimulantes e as medicações orais são extensas e vai da escolha do veterinário responsável. A duração do tratamento pode variar de 30 a 60 dias e animais controlados devem fazer exames periódicos a cada 3 meses para verificação do retorno do ácaro.
Prevenção
Como a sarna demodex tem caráter genético, o que podemos fazer é tirar os animais acometidos da reprodução, ou seja, castração ou impedir os cães doentes de acasalarem com cães saudáveis. Não podemos esquecer de realizar diferentes exames nos cães adultos que apresentam a doença para descartar a presença de outras doenças mais graves.

OBS: É IMPRESCINDÍVEL A VISITA AO MÉDICO VETERINÁRIO, NÃO MEDIQUE SEU ANIMAL SEM A ORIENTAÇÃO DE UM PROFISSIONAL.